Você está em › InícioBibliotecaSaúdeA Celulite: o que fazer?

A Celulite: o que fazer?

Alimentação e exercício físico têm influência na celulite » Gordura não se «evapora» do corpo

David Carvalho

No Verão, o corpo anda mais exposto aos olhares dos outros. E, pensando no feminino, há um problema estético que mais do que nunca precisa de ser resolvido ou atenuado: acelulite.

Quase todas as mulheres deverão ter esse assunto na mente, mas, por vezes, não é fácil encontrar uma fórmula que seja eficaz, já que a celulite também depende bastante dos hábitos alimentares acertados, dos estilos de vida e... da hereditariedade.

 É preciso, no entanto, lembrar que hoje impera o sedentarismo e comer mal também é um costume teimosamente enraizado. São uma espécie de dois «coletes de força» onde é procurada uma saída em direcção ao bem-estar e, no caso da celulite, são factores com influência negativa, embora não sejam determinantes. 

Actividade física regular e... contínua

 A Dr.ª Alexandra Bento, da Associação Portuguesa dos Nutricionistas, defende que «não é suficiente uma alimentação adequada», para evitar a celulite, mas uma conjugação de factores, como a actividade física regular – sublinhe-se regular,sem lugar a interrupções, «porque senão de nada valem as medidas alimentares».

 Vamos por partes, e comecemos por expor a importância de uma alimentação saudável e correcta.Primeiro, atente-se no significado de uma medida importante, no que diz respeito à prevenção de celulite.

 «Fazer várias refeições por dia», diz Alexandra Bento, «bem estruturadas, nunca sair de casa sem tomar o pequeno-almoço e ter sempre duas refeições principais».

 E porquê sublinhar-se este ponto que parece tão óbvio? 

«Muitas vezes as pessoas tendem a comer de forma desequilibrada ao almoço. Têm uma opção nutricionalmente pobre, com elevada densidade calórica. Por exemplo, comer um croquete, um folhado, um rissol, uma sandes de panado é pouco em termos dequantidade, mas muito em calorias. Depois, ao jantar, é cometido outro erro: como estamos mais relaxados, tendemos a compensar com uma refeição onde impera o exagero», pormenoriza a nutricionista.

 Além disso, a relevância das tais seis ou sete refeições por dia, reduzindo as gorduras e privilegiando as frutas, os legumes e alimentos ricos em hidratos de carbono complexos (como o pão, o arroz, a batata e as massas), insere-se na lógica em que não podemos ficar sem alimentos. Se tal acontecer, o corpo tem uma tendência autofágica, por assim dizer, e vai consumir no imediato tecidos nobres como o músculo, enquanto a gordura se mantém intacta, já que é apenas utilizada em situa­ções de maiores carências.

 «Os depósitos de gordura são apenas mobilizados posteriormente», diz Alexandra Bento. 

 Por outro lado, razões óbvias e alguns estudos indicam que o café e o álcool não são aconselháveis para quem procura combater a celulite.

 «Tudo deve ter a sua conta peso e medida», sustenta a nutricionista.

 

 Não há truques nemdicas que resistam...

 De resto, em relação à celulite, não há truques nem dicas que resistam se não for tido em conta o que realmente interessa.

 «É preciso submeter o estilo de vida a uma alimentação saudável e aumentar a actividade física, mantendo esses padrões inalterados.

 Por outro lado, é interessante a massagem localizada, que pode contribuir para aumentar a circulação sanguínea de retorno, facilitar o desbloqueamento linfático, aumentar a oxigenação dos tecidos, mobilizar os detritos metabólicos, descongestionar o tecido conjuntivo e desfibrosar os nódulos de gordura, o quepode aumentar a elasticidade e flexibilidade, diminuin­do a celulite. Há que não esquecer que a gordura não se “evapora”», sublinha Alexandra Bento.

 A ingestão de dois litros de água por dia é também um aspecto a ter em conta, já que ajuda a eliminar através dos rins as toxinas que se acumulam no organismo.

 

Metabolismos diferentes 

Alexandra Bento atesta ainda que «é bom que as pessoas tenham a noção de que cada um tem o seu próprio metabolismo, ou seja, a energia necessária para o trabalho do organismo. Há pessoas que precisam de mais, outras que têm menos necessidades.»

 Este é um conceito que é útil para lidar com o princípio da celulite. «Só depositamos gordura se houver excesso energético, se consumirmos mais do que necessitamos. O extra será sempre para depósito de gordura», acrescenta a nutricionista. 

Estes especialistas servem-se de fórmulas para calcular as necessidades energéticas de cada indivíduo, considerando factores como a actividade desenvolvida, o peso, o sexo, a idade e a estatura.

 «Daí nasce um plano alimentar estruturado, contudo, no dia-a-dia, as pessoas não devem preocupar-se em calcular as calorias do que consomem. Basta terem em atenção as regras básicas da alimen­tação saudável», explica Alexandra Bento.

  

Factores genéticos determinam celulite

 O Dr. Luiz Leite, dermatologista, considera que os factores genéticos são os principais responsáveis pela celulite. «É um problema que tem muito a ver com a predisposição genética, para além da alimentação incorrecta e da falta de exercício».

 Este especialista explica que a celulite deve-se «a um aumento da gordura superficial, com depósitos nas nádegas, ancas, coxas e abdómen, assinalados pela presença de“covas” nessas zonas».

 Afectando tanto as mulheres magras como as gordas ou as normais, a celulite surge na maioria dos casos ainda na adolescência, «por via dos mecanismos hormonais decorrentes da menarca, quando há maturação hormonal, uma subida dos estrogénios e o início da actividade ovárica», refere o dermatologista.

 

 In “http://medicosdeportugal.saude.sapo.pt”

 

‹ Consulte outros artigos disponiveis na nossa biblioteca
  

Clique para falar no chat geral
Caso o PT esteja offline, envie-nos um email para info@slife.pt